Catorze crianças estão internadas no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa com covid-19. Duas estão em cuidados intensivos e três vieram do Alentejo. Graça Freitas revela que é “prematuro” associar o números de internamentos ao facto de Portugal estar a desconfinar

Catorze crianças estão internadas no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, com covid-19, duas das quais em cuidados intensivos com doenças crónicas graves, disse ontem a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.
“O Hospital tem neste momento 14 crianças internadas. Três destas crianças vieram de outra região, do Alentejo, e uma criança é oriunda de um país dos PALOP [Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa]”, adiantou Graça Freitas na conferência de imprensa diária de atualização de informação relativa à infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.
Segundo Graça Freitas, das duas crianças que estão na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), uma tem uma doença renal crónica grave e a outra uma doença hematológica grave.
Estas crianças estão nos “cuidados intensivos, mais pela sua doença de base, pelo menos uma delas, que está descompensada”, sublinhou. O internamento aconteceu na sexta-feira, como avançou o POSTAL hoje.
O contágio destas duas crianças deverá ter sido feito por parte dos pais. Os bebés continuarão em Lisboa, até que o seu estado de saúde seja mais favorável.
Questionada se este número de crianças internadas pode estar associado ao desconfinamento, Graça Freitas afirmou que “é muito prematuro” afirmar isso “até porque o Hospital Dona Estefânia recebe crianças de várias origens”, nomeadamente dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e do Sul do país.
“Isto são variações em relação a outros dias em que já houve nove, 10 casos, hoje temos 14, mas não podemos tirar daqui uma ilação direta se se deve ou não ao desconfinamento”, salientou Graça Freitas, adiantando que é preciso “ver como é que estas crianças vão evoluir”.
Segundo o jornal Correio da Manhã, as duas crianças internadas na UCI do Hospital Dona Estefânia têm menos de um ano e estão a ser ventiladas.
Graça Freitas disse não ter a “certeza absoluta” se serem bebés com menos de um ano, afirmando apenas que “são crianças pequenas e doentes crónicos”.
Segundo a diretora-geral da Saúde, a evolução do número de infeções em crianças em Portugal está “a acompanhar o movimento de todo o resto do país” em que “a tendência é francamente decrescente”.
“Exceto estas três crianças do Alentejo que estão internados no Hospital Dona Estefânia, mas que já estavam, não são casos que aconteceram nas últimas horas, o internamento em pediatria está a seguir exatamente a mesma tendência”, vincou.
Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

REDACAO
LUSA
16:25