A Câmara de Ourique quer que o Governo arranje uma solução para a falta de médicos no Centro de Saúde do concelho, um problema estrutural que foi agravado pela recente «aposentação súbita» de uma clínica que exercia funções na direção da unidade de Saúde.
O município alentejano já pediu a intervenção da tutela, mas a resposta que obteve foi de que não tem havido interessados em preencher as vagas que têm sido abertas em sucessivos concursos.
A Câmara de Ourique insiste que se tem de encontrar uma solução para os problemas de falta de meios humanos com que o Centro de Saúde local e as suas quatro extensões se debatem.
O problema principal está ligado aos médicos, pois neste momento há apenas dois, quando deviam ser quatro, para um universo de quase 5500 utentes. Mas também não há os enfermeiros e os assistentes técnicos necessários.
O presidente da câmara garante que tem «reafirmado junto do Governo, da Administração Regional de Saúde do Alentejo e da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo a necessidade de concretizar respostas que correspondam às necessidades das pessoas e de um território vasto, com o nosso perfil populacional».
Segundo Marcelo Guerreiro «há muito que o município de Ourique se tem disponibilizado para participar na concretização de soluções que reforcem os serviços do SNS à população de Ourique, nomeadamente através da construção de um novo Centro de Saúde, não contemplado no financiamento comunitário herdado do anterior governo para a saúde na região», diz a autarquia.
O autarca socialista Marcelo Guerreiro garante que «continuará a defender a necessidade de se encontrar uma solução imediata para a emergência gerada pela súbita aposentação e para as questões estruturais».