A Assembleia Municipal de Castro Verde aprovou o pedido da autarquia de contração de um empréstimo de 500 mil euros cuja finalidade do mesmo é o de avançar com a requalificação da Pavilhão Municipal (200 mil euros) e a construção de uma Casa Mortuária em Entradas (300 mil euros).

A proposta foi aceite com 9 votos a favor do PS e 10 abstenções dos vogais da CDU.
No final das Assembleia o vice-presidente da câmara de Castro Verde, David Marques, congratulou-se com a decisão dos eleitos municipais, realçando que a verba a contratar “vai possibilitar a concretização de dois projectos importantes para o nosso concelho”.
O autarca socialista realçou que “no que respeita ao Pavilhão Municipal já existe projecto, o mesmo não sucede em relação à Casa Mortuária de Entradas. Vamos agora encetar o processo e o projecto desta infraestrutura tão importante para a Vila de Entradas”.

Sublinhe-se que os vogais da CDU se abstiveram na votação “para não inviabilizarmos a contração do empréstimo por parte da câmara, mas não deixamos de lamentar a incoerência socialista, que quando estava na oposição nos criticava por contrairmos empréstimos e até ao momento já contraíram empréstimos que perfazem mais de dois milhões e quatrocentos mil euros” referiu a vogal da CDU, Manuela Florêncio.

Durante a Assembleia Municipal o vogal do PS, Leandro Gonçalves, rebateu esta crítica salientando que “o PS nunca votou contra nenhum pedido de empréstimos da CDU e é bom que se saiba que quando a CDU os fez a autarquia recebia valores significativos de derrama da Sominicor, o que não acontece agora, por isso chamar de incoerente à postura do PS é no mínimo não ter ou não querer ver que a realidade mudou e que os empréstimos que a autarquia agora contrai são essenciais para que façamos as obras que prometemos e que os castrenses merecem. No tempo da CDU as receitas eram outras e o que é um facto é que as obras não foram feitas” concluiu o vogal socialista